277 - Arritmias Ventriculares Flashcards Preview

Cardio - 2017 KI > 277 - Arritmias Ventriculares > Flashcards

Flashcards in 277 - Arritmias Ventriculares Deck (214)
Loading flashcards...
182

Qual deve ser a monitorização sistémica na terapêutica crónica com amiodarona?

Toxicidade hepática e tiroideia a cada 6 meses

Toxicidade pulmonar através de Rx torax e/ou determinação da capacidade de difusão pulmonar anualmente.

183

Os CDI diminuem a mortalidade em doente que se encontram em risco de morte súbita devido a doenças cardíacas ______ (funcionais/estruturais).

Doenças cardíacas estruturais

184

V ou F

A dronedarona aumenta a mortalidade nos doentes com IC

V

185

Os CDIs apenas são recomendados caso haja uma expectativa de sobrevida de pelo menos ____ ano/anos, com capacidade funcional aceitável

Os CDIs apenas são recomendados caso haja uma expectativa de sobrevida de pelo menos UM ANO, com capacidade funcional aceitável

Excepções:
Doentes em estadio terminal de doença cardíaca a aguardar transplante cardíaco fora do hospital
Doentes com prolongamento do QRS por bloqueio de ramo esquerdo que possam ter melhoria na função ventricular com a ressincronização cardíaca do CDI biventricular.

186

Qual é a complicação mais comum do CDI?

Realização de terapêutica desnecessária

187

A infecção do CDI ocorre em aproximadamente __% dos doentes

A infecção do CDI ocorre em aproximadamente 1% dos doentes

188

V ou F

A ocorrência de TV ou FV num doente com CDI prevê um aumento da mortalidade e risco de insuficiência cardíaca.

V

189

V ou F

Fármacos antiarrítmicos, maioritariamente amiodarona, ou ablação por cateter são muitas vezes necessários na supressão da recorrência das arritmias nos doentes com CDI

V

190

Qual é a abordagem de primeira linha para muitos doentes com TV idiopática sintomática?

Ablação por cateter

191

As taxas de sucesso para a ablação por cateter num doente com uma TV com origem no tracto de saída do VD são em torno dos __-__%.

80-90%

192

Para além das complicações locais relacionadas com o acesso, que outras complicações podem estar presentes na ablação por cateter?

– perfuração com tamponamento cardíaco,
– dano no sistema de condução com bloqueio AV
– dano da artéria coronária

193

Quais são as complicações mais comuns associadas à ablação por cateter?

Complicações relacionadas com o acesso vascular (hemorragia, hematoma da femoral, fistula arteriovenosa e pseudoaneurismas), que ocorrem em menos de 5% dos doentes

194

Nas TV refractarias a fármacos com origem em EM prévio, a ablação consegue cessar a arritmia em __% dos casos e reduz a frequência das TV em __% adicionais

Nas TV refractarias a fármacos com origem em EM prévio, a ablação consegue cessar a arritmia em 50% dos casos e reduz a frequência das TV em 20% adicionais

195

Nos doentes com TV com origem em EAM prévio ou CM, mais do que um procedimento de ablação por cateter é necessário em __% dos doentes

Nos doentes com TV com origem em EM prévio ou CM, mais do que um procedimento de ablação por cateter é necessário em 30% dos doentes

196

Doentes com arritmias idiopáticas benignas têm geralmente um ECG normal em ritmo sinusal

V/F?

Verdadeiroo

197

Qual é a mortalidade associada à ablação por cateter em doentes com TV com origem em cicatriz condicionada por EAM ou CM?

3%, ocorrendo principalmente por TV contínua incontrolável quando o procedimento falha.

198

V/F

A ablação por catéter pode ser life-saving nos raros casos em que a TVpoli e FV rão repetidamente iniciadoas por Contraçoes ventriculares prematuras unifocais.

V

199

V/F

Crioablação cirurgica, combinada comumemte com aneurismectomia, podem ser efetivas nos casos de TV recorrente por EM prévio refratária a todas as terapeuticas instituidas

V

pode tambem ser utilizado para alguns doentes com doença cardíaca não-isquémica

200

V/F

A administração de fármacos antiarrrítmicos não têm qualquer efeito na frequência e energia necessárias para a desfibrilhação pelo CDI.

F

A administração de fármacos antiarrrítmicos PODE ALTERAR a frequência e energia necessárias para a desfibrilhação pelo CDI.
Por esta razão, os doentes devem reprogramar o seu CDI.

201

V/F

A ocorrência de TV/FV num doente com CDI, mesmo que temrinado adequadamente, indica aumento da mortalidade e risco de IC. Por esse motivo, os doentes devem ser estudados para procurar eventuais causas como pioria da IC, anormalidades eletrolíticas e isquémia.

V

202

V/F

TV incessante Lenta nunca é assintomática e causa IC ou miocardiopatia induzida pela taquicárdia.

F

TV incessante Lenta PODE SER ASSINTOMÁTICA mas causa IC ou miocardiopatia induzida pela taquicárdia.

203

Em relação à MCHiperT. V/F

Frequentemente ocorrem TV não sustentadas relacionado com áreas de cicatrização.

F

RARAMENTE

204

Qual destes não é Diagnóstico Diferencial de Sindrome de Brugada?

1- HVE
2- Pericardite
3- Hipotermia
4- BRE
5- Cardiopatia arritmogénica do VD

4. o correto é DRD

DDx:
- HVE
- Pericardite
- Isquémia Miocárdica
- hipercaliémia
- hipotermia
- BRD
- CAVD (lembrar que ela cursa com padrão de BRD)

205

Sindrome QT longo. V/F

Interações medicamentosas que elevam as concentrações de fármacos que provocam aumento do QT são fatores precipitantes raros.

F

São FREQUENTES

206

TV Mono Idiopática. V/F

Ocorrem principalkmente em doentes sem cardiopatia estrutural. No entanto, ocasionalmente, doentes com cardiopatia estrutural podem ter TV idiopatica concomitante, nao relacionado com a patologia cardíaca.

V

207

em relação à CAVD. V/F

Pode ocorrer envolvimento do VE. No entanto, este geralmente ocorre após o envolvimento do VD.

F

O envolvimento do VE PODE PRECEDER as minifestaçõe ventriculares direitas

208

Critérios Eletrocardiográficos para Definição de TV Vs. TSV com condução aberrante. V/F

A dissociação AV é um marcador credível de TV. Uma onda P após o QRS exclui a possibilidade de uma TV.

F

Uma onda P após o QRS NÃO EXCLUI uma TV porque pode ocorrer condução 1:1 do Ventriculo para a auricula

209

Uma história familiar de morte subita deve promover uma avaliação para sindromes genéticos associados a MS. Quais?

1- miocardiopatias
2- sindrome QT longo
3- Cardiomiopatia arritmogénica do VD

210

quais são as duas caracteristicas principais que nos permitem distinguir um ECG de uma Taqui idiopatica de uma cardiopatia estrutural (no geral)?

1. ECG em repouso normal
2. contornos do QRS ininterruptos, "direitinhos" (ao contrário de alargados e entalhados quando há patologia)

211

V ou F

TV não sustentada que é muito rápida, polimórfica, ou com o primeiro batimento que ocorre antes do pico da onda T (“short-coupled”) é comum

F

TV não sustentada que é muito rápida, polimórfica, ou com o primeiro batimento que ocorre antes do pico da onda T (“short-coupled”) é INCOMUM