295 - Enfarte agudo do miocárdio com Supra-ST Flashcards Preview

Cardio - 2017 > 295 - Enfarte agudo do miocárdio com Supra-ST > Flashcards

Flashcards in 295 - Enfarte agudo do miocárdio com Supra-ST Deck (214)
Loading flashcards...
1

Quais os efeitos dos B-bloq intravenosos no tratamento do EAM-supraST?

- Diminem a demanda de O2 --> diminuem a isquémia--> diminuem a dor. Há também evidência de que os B-bloq iv reduzem o risco de reenfarte e de FV.

2

Qual a dose de aspirina a utilizar inicialmente no SU?

160-325 mg em comprimido mastigado
(Seguido de administração oral diária de 75-162 mg

3

β-Bloq. orais devem ser iniciados nas 1as 24h em doentes que não apresentem:

1. Sinais de IC
2. Evidências de baixo DC
3. Risco aumentado de choque cardiogénico
4. Outras C-I relativas (intervalo PR > 0.24s, BAV 2o ou 3o graus, asma activa, doença reactiva das vias resp.)

4

Contra-indicações absolutas da terapêutica com fibrinolíticos?

1. História de AVC hemorrágico
2. AVC isquémico no último ano (ou outro evento cérebro-vascular)
3. PAS > 180 ou PAD > 110mmHg
4. Suspeita de dissecção aórtica
5. Hemorragia interna activa (excepto menstruação)

5

V ou F: A idade pode ser contra-indicação para a terapêutica fibrinolítica.

Falso.

Apesar de a idade avançada estar associada a maior risco de complicações hemorrágicas, o benefício da terapêutica fibrinolítica nos idosos parece justificar o seu uso se não estiver presente nenhuma outra CI.

6

A fibrinólise deve iniciar-se até quanto tempo após a chegada do doente ao SU (door-to-needle time)?

Em menos de 30 min

7

Que alterações devem estar presentes no ECG para que o doente possa ser considerado candidato a terapêutica de reperfusão (fibrinólise e ICP)?

ECG:
- Elevação ST>= 2 mm em 2 derivações pré-cordiais adjacentes
+
- Elevação ST>=1 mm em 2 derivações dos membros

8

Que percentagem de doentes poderá desenvolver reperfusão espontânea em menos de 24h?

Até 33% (1/3) dos doentes (fibrinolise ou ICP aceleram recanalização

9

V ou F: A gravidez é uma contra-indicação absoluta para a terapêutica fibrinolítica.

V ou F: A história de HTA grave é uma contra-indicação relativa para a terapêutica fibrinolítica.

Falso. É uma contra-indicação relativa.

Verdadeiro

10

V ou F: A ICP primária é geralmente preferida à fibrinólise quando os sintomas estão presentes há mais de 2-3h.

Verdadeiro. Nesta altura os coágulos são mais maduros e mais dificilmente lisados pelas drogas fibrinolíticas. (pág 1605)

11

Qual o efeito adverso mais comum da estreptoquinase?

O efeito adverso mais comum (e mais potencialmente fatal) é a hemorragia

12

V ou F: A taxa de hemorragia intracraniana com tPA ou rPA é ligeiramente superior do que com streptokinase.

Verdadeiro.

13

Contra-indicações à terapêutica com B-bloq após EAM-supraST:

IC, Disf. VE, BAV, hipotensão ortostática ou asma graves

14

A terapêutica com B-bloq após EAM-supraST é benéfica na maioria dos doentes (incluíndo sob IECAS), excepto:

1. Doentes com C-I (IC, Disf. VE, BAV, hipotensão ortostática ou asma graves)
2. Doentes com Prognóstico excelente (taxa de mortalidade inferior a 1%/ano)

15

Os IECAS reduzem a mortalidade pós-EAM-supraST. O seu benefício máximo ocorre nos doentes...

Doentes de alto risco:
- Idosos
- Enfarte da parede anterior
- Enfarte prévio
- Disfunção global do VE

16

Em que situações é que os IECAs devem ser mantidos indefinidamente?

- evidência clínica de ICC
- redução global na função do VE
- extensa anormalidade regional da motilidade do VE
- HTA

17

V ou F: O controlo da glicémia em doentes diabéticos com EAM c supra-ST não demonstrou redução na mortalidade

Falso. Diminui a mortalidade

18

Relativamente à remodelação ventricular, uma maior dilatação ventricular ocorre em que áreas de enfarte?

Uma maior dilatação ocorre após enfarte da parede anterior e do apex do VE, causando maior prejuízo hemodinâmico, mais frequentemente IC e tendo pior prognóstico.

19

V ou F: Enfarte de >=30% do VE geralmente resulta em choque cardiogénico.

Falso. >=40%

20

Qual a percentagem de doentes que apresenta choque cardiogénico como apresentação inicial?

- 10%

90% dos doentes com choque cardiogénico desenvolvem-no durante o internamento.
Tipicamente há DAC grave, com envolvimento de múltiplos vasos

21

V ou F: 1/4 dos doentes com EAM inferior apresentam, pelo menos, necrose leve do VD.

Falso, é um 1/3.

22

V ou F: As extrassístoles esporádicas e isoladas são complicações pouco frequentes do EAM-supraST que necessitam de tratamento com anti-arrítmicos.

Falso.
São pouco frequentes mas ocorrem em quase todos doentes. Não necessitam de tratamento específico.
Tratar apenas as arritmias ventriculares incessantes.

23

Os aneurismas verdadeiros do VE não estão associados a ruptura cardíaca. V ou F?

Verdadeiro

24

O que é um pseudoaneurisma?

É uma situação rara na qual ruptura miocárdica acaba por ficar contida pelo pericárdio juntamente com um trombo organizado e um hematoma.
Está associado a ruptura espontânea e hematomas organizados.
Deve ser cirurgicamente reparado quando a sua presença é reconhecida.

25

V ou F:
Tamanho do enfarte correlaciona-se com o pico/ concentração máxima de biomarcadores séricos.

Falso.
O pico/concentração máxima de biomarcador NÃO SE CORRELACIONA com o tamanho do enfarte.

A quantidade total (área sob a curva) de biomarcadores libertados correlaciona-se com o tamanho do enfarte

26

V ou F: A fibrinólise é uma opção terapêutica no enfarte com supra e no enfarte sem supra.

Falso.
Na ausência de supra, fibrinólise não auxilia, existindo evidências de que pode ser prejudicial!

27

Factores clínicos associados a um aumento do RCV após EAM:

1. Isquémia persistente (espontânea/induzida)
2. F.Ejecção VE inferior a 40%
3. Fervores acima das bases
4. Congestão no Rx tórax
5. Arritmias ventriculares sintomáticas

28

A mortalidade 1 ano após EAM é de __%.

15%.

29

25% das mortes relacionadas com EAM ocorrem antes do doente chegar ao hospital. V ou F?

Falso. Mais de 50%.

30

A mortalidade intra-hospitalar de EAM diminui de __% para __% na última década.

A mortalidade intra-hospitalar de EAM diminui de 10% para 6% na última década.