Sangramentos 1ª metade Flashcards Preview

MC - Ginecologia e Obstetrícia > Sangramentos 1ª metade > Flashcards

Flashcards in Sangramentos 1ª metade Deck (79):
1

Quais as principais causas de sangramento na 1ª metade da gravidez? (3)

  1. Abortamento;
  2. Doença Trofoblástica Gestacional;
  3. Ectópica.

2

Abortamento

Definição?

Interrupção da gestação < 20/22 semanas ou PN < 500 g.

3

O que é um abortamento precoce?

< 12 semanas.

4

O que é um abortamento tardio?

> 12 semanas.

5

Em quais situações o aborto provocado é permitido?

  1. Risco de morte para a mãe (qualquer IG);
  2. Estupro (<20 sem);
  3. Anencefalia (>12 sem).

6

O que é um abortamento habitual?

3 ou mais abortamentos espontâneos consecutivos.

7

Qual a causa mais comum de abortamento esporádico?

Aneuploidias (trissomias-16).

8

Quais as duas causas mais comuns de abortamento habitual?

Incompetência istmocervical e Síndrome do anticorpo antifosfolipídeo (SAAF).

9

Quais as principais características da incompetência istmocervical? (4)

  1. Aborto tardio;
  2. Feto vivo e morfologicamente normal;
  3. Colo curto;
  4. Dilatação indolor.

10

Incompetência istmocervical

Conduta?

Circlagem à McDonald com 12 a 16 semanas IG.

11

Incompetência istmocervical

Momentos a circlagem deve ser desfeita?

36 semanas= trinta e 6clagem (seisclagem)

  1. 36-37s IG;
  2. Início de trabalho de parto.

12

Quais as principais características da síndrome anticorpo antifosfolipídio (SAAF)? (6)

  1. Colo normal;
  2. Lúpus presente;
  3. Tromboses;
  4. Feto morto;
  5. Aborto precoce OU tardio;
  6. Anticorpos (+) em 2 dosagens (anticardiolipina, anticoagulante lúpico, anti-beta-2-glicoproteína).

13

Síndrome Anticorpo Antifosfolipídio (SAAF)

Anticorpos? (3)

1. Anticardiolipina;

2. Anticoagulante lúpico;

3. Anti-β2glicoproteína.

14

O que é um abortamento incompleto?

Colo aberto + útero menor + restos ovulares (endométrio > 15 mm).

15

O que é um abortamento inevitável?

Colo aberto + útero compatível com embrião.

16

O que é um abortamento infectado?

Colo aberto + febre/odor/leucocitose.

17

O que é um abortamento completo?

Colo fechado + útero menor/vazio.

18

O que é uma ameaça de abortamento?

Colo fechado + embrião vivo + útero compatível.

19

O que é um aborto retido?

Colo fechado + embrião morto + útero menor.

20

Qual a principal conduta diante de suspeita de abortamento + colo fechado?

USG (ameaça x retido).

21

Qual a principal conduta diante de suspeita de abortamento com colo aberto?

Esvazimento (incompleto e inevitável).

22

Qual a conduta diante de um abortamento infectado?

Esvaziamento + ATB (clinda+genta).

23

Qual a conduta diante de uma ameaça de abortamento?

Repouso relativo + analgésicos.

24

Quais as formas de esvaziamento uterino propostas para terapêutica de abortamento?

< 12s: AMIU ou curetagem.

> 12s: curetagem (s/ feto) ou misoprostol ± curetagem (c/feto).

25

Abortamento

Quando indicar curetagem como forma de esvaziamento uterino?

Em todos os casos.

26

Abortamento

Quando indicar AMIU como forma de esvaziamento uterino?

< 12 semanas.

27

Abortamento

Quando indicar misoprostol como forma de esvaziamento uterino?

> 12 semanas, com feto presente.

28

Qual a conduta diante de gestantes com alto risco para parto prematuro?

Progesterona 100 mg via vaginal 1x/dia de 24-34 semanas IG.

29

Doença Trofoblástica Gestacional

O que é?

Proliferação anormal do trofoblasto (benigna x maligna). 

30

Doença Trofoblástica Gestacional

Formas benignas? (2)

Mola hidatiforme completa e parcial.

31

Doença Trofoblástica Gestacional

Formas malignas? (3)

  1. Mola invasora;
  2. Coriocarcinoma;
  3. Tumor trofoblástico do sítio placentário.

32

Mola Hidatiforme Completa

Taxa de malignização?

20%.

33

Mola Hidatiforme Parcial

Taxa de malignização?

5%.

34

Na mola hidatiforme _______ (completa/parcial) não há embrião.

Completa (não há embrião).

35

Na mola hidatiforme _______ (completa/parcial) há embrião.

Parcial (há embrião).

36

Na mola hidatiforme _______ (completa/parcial) o material genético é diplóide.

Completa (diploide: 46 XX).

37

Na mola hidatiforme _______ (completa/parcial) o material genético é triplóide.

Parcial (triplóide: 69 XXY).

38

Qual o quadro clínico sugestivo de Doença Trofoblástica Gestacional?

  1. Sangramentos repetidos, vermelho acastanhado (“suco de ameixa”);
  2. Hiperêmese;
  3. Vesículas;
  4. ↑Útero (em sanfona).

39

Qual o achado ultrassonográfico característico da Doença Trofoblástica Gestacional?

"Flocos de neve" ou "Nevasca" ou "Cachos de Uva".

40

Quais as terapêuticas propostas para a Doença Trofoblástica Gestacional?

(1) Esvaziamento uterino + histopatológico.

(2) Histerectomia (se prole definida E mulher > 40 anos).

41

Qual a conduta na Doença Trofoblástica Gestacional em relação aos ANEXOS?

NÃO fazer anexectomia!

Os cistos teca-luteínicos presentes no ovário ocorre devido à hiperestimulação hormonal, portanto regridem com o tratamento!

42

Qual a periodicidade da coleta de β-hCG para controle de cura da Doença Trofoblástica Gestacional?

  1. Semanal/quinzenal até 3 resultados negativos.
  2. Mensal até 6 meses.

USP-SP (ZUGAIB): ao invés de controle semanal, o controle é quinzenal – após controle negativo, segue-se com controle mensal.

43

Quais os sítios metastáticos mais comuns quando ocorre malignização na Doença Trofoblástica Gestacional?

  1. Pulmão.
  2. Vagina.

44

Quais dos achados de controle de cura sugerem malignização da Doença Trofoblástica Gestacional?

  1. Duas dosagens houve aumento.
  2. 3 dosagens e platô.
  3. 6 meses ainda (+)
  4. Metástases.

45

Qual o quimioterápico de esoclha para tratamento de Doença Trofoblástica Gestacional maligna?

Metotrexato.

46

Qual a principal medida a ser realizada durante o controle de cura da Doença Trofoblástica Gestacional?

Anticoncepção eficaz (exceto DIU).

caso a paciente engravidar, não saberemos  se a elevação do beta-hcg é decorrente da gravidez ou de uma malignização.

47

Qual a definição de Gravidez Ectópica?

Implantação ovular fora da cavidade uterina.

48

O que é uma Gravidez Heterotópica?

Implantação no Útero (tópica) + Fora do Útero (ectópica).

49

Qual o local mais comum de implantação de uma gravidez ectópica?

Trompa (ampola) em 95% dos casos.

50

Quais os principais fatores de risco para Gravidez Ectópica?

  1. Cirurgia prévia em trompa.
  2. Ectopia prévia.
  3. DIP.
  4. Endometriose.
  5. DIU.
  6. Tabagismo.
  7. > 35 anos.
  8. Negras.
  9. Cirurgia Abdominal.

51

Qual a tríade clínica clássica da Gravidez Ectópica?

Atraso menstrual + dor abdominal + sangramento.

52

Quais achados clínicos indicam rotura de Gravidez Ectópica?

Choque, sinal de Blumberg ou Proust (dor à palpação de fundo de saco).

53

Quais achados de exames complementares sugerem Gravidez Ectópica?

Útero vazio no USG + β-hCG > 1.500.

β-hCG (+) + Abdômen Agudo.

54

Qual fenômeno pode estar presente na Gravidez Ectópica?

Reação de Arias-Stella.

Mulher engravida → estímulo hormonal para que o endométrio se prepare para a gravidez. No caso de uma gravidez ectópica → produção hormonal é fraca → não é capaz de sustentar o endométrio → sangramento discreto.

55

A única ectópica que pode cursar com hemorragia vaginal intensa é a...

ECTÓPICA CERVICAL.

56

Quais os critérios necessários para a terapêutica expectante da Gravidez Ectópica?

(1) Estabilidade hemodinâmica.

(2) ↓β-hCG progressiva.

(3) Ectópica íntegra.

57

Quais os critérios para a terapêutica medicamentosa da gravidez ectópica? (3)

"ABC"

1. Ausencia de BCF;

2. β-hCG < 5.000;

3. Comprimento < 3,5 cm.

 

58

No que consiste a terapêutica medicamentosa da Gravidez Ectópica?

MTX injetável local ou sistêmico.

59

Como é realizado o controle de tratamento da Gravidez Ectópica após administração de MTX?

Comparar β-hCG 4º e 7º dia:

se cair pelo menos 15%: acompanhamento semanal.

<15%: nova dose de MTX.

60

Qual a indicação de tratamento cirúrgico conservador para Gravidez Ectópica?

Ectópica íntegra + desejo de gestar.

61

Qual o tratamento cirúrgico conservador proposto para Gravidez Ectópica?

Salpingostomia laparoscópica.

62

Qual a indicação de tratamento cirúrgico radical para Gravidez Ectópica?

Ectópica rota ou prole completa.

63

Qual o tratamento cirúrgico radical proposto para Gravidez Ectópica?

Salpingectomia laparoscópica (estável) OU Laparotomia + Salpingectomia (instável).

64

Se a USG não estivesse disponível, qual a estratégia para descartar o diagnóstico de prenhez ectópica?

REPETIR BETA-HCG: se duplicar (ou mínimo > 66%) em 48h, sugere gestação normal

PROGESTERONA > 25ng/mL, o diagnóstico de ectópica também se torna pouco provável

65

Quais as três principais características da Doença Hemolítica por incompatibilidade ABO?

(1) Não exige exposição prévia.

(2) Proteção parcial para incomp. Rh.

(3) Não há profilaxia.

66

Qual o tipo mais comum de Doença Hemolítica Perinatal?

Incompatibilidade ABO.

67

Qual o tipo mais grave de Doença Hemolítica Perinatal?

Incompatibilidade Rh (+ grave).

68

Qual a periodicidade de solicitação de Coombs indireto para mãe Rh negativo?

28, 32, 36 e 40 semanas.

69

Em qual situação clínica não há sensibilização para incompatibilidade Rh mesmo com mãe Rh negativo?

Fator DU positivo.

70

Qual situação clínica predispõe a Doença Hemolítica por incompatibilidade ABO?

Mãe O +

Filho A ou B.

Outras situações incomuns:

Mãe: B e RN: A. 

OU

Mãe: A  e RN: B.

71

Qual situação clínica predispõe a Doença Hemolítica por Incompatibilidade Rh?

Mãe Rh(-) (DU-)

Pai Rh(+)

Feto Rh(+).

Variante DU: se ele vier (+) → paciente comporta-se como Rh+ e não entraria no protocolo.

72

Qual a conduta diante de Coombs Indireto positivo e titulação <1:16?

REPETIR MENSALMENTE.

73

Qual a conduta diante de Coombs Indireto positivo e titulação ≥ 1:16?

investigar feto (iniciar com Doppler ACM).

 

74

Qual o 1º passo na Investigação da Anemia Fetal (≥1:16)?

Doppler de A. Cerebral Média.

75

Qual achado do Doppler de ACM determina investigação de Anemia Fetal com Cordocentese?

Vmax de pico sistólico > 1,5.

Se V> 1,5 → sugere hemólise significativa → encaminhar para cordocentese (padrão ouro para diagnóstico e tratamento).

76

Quais as indicações de Imunoglobulina Anti-D para mãe?

  1. Sangramento.
  2. Exame invasivo fetal.
  3. Parto (< 72h).
  4. 28 SEMANAS

Só faz se Coombs Indireto negativo.

 

77

Qual o padrão-ouro para diagnóstico e tratamento da Anemia Fetal?

Cordocentese.

78

A Imunoprofilaxia DHP será efetiva quando...

Coombs Indireto positivar (caso não positive fazer mais uma dose).

Teste de Kleihauer negativar (pesquisa de hemácias fetais na mãe.

 

79

Na DHP, o Coombs Indireto deve negativar em até...

3 meses pós-parto.

caso não negative → significa que a paciente foi sensibilizada