Vulvovaginite, cervicite e DIP Flashcards Preview

MC - Ginecologia e Obstetrícia > Vulvovaginite, cervicite e DIP > Flashcards

Flashcards in Vulvovaginite, cervicite e DIP Deck (84):
1

Menacme fisiológico

pH vaginal? Teste das aminas? Células encontradas?

  1. pH 3,5-4,5;
  2. Teste das aminas negativo;
  3. Células escamosas / raros polimorfonucleares.

2

Espécie bacteriana predominante na microbiota vaginal normal?

Lactobacillus sp.

3

V ou F?

Fazem parte da microflora vaginal: Mycoplasma hominis, Candida albicans, Gardnerella vaginalis e Chlamydia trachomatis.

Falso

Fazem parte da microflora vaginal: Mycoplasma hominis, Candida albicans, Gardnerella vaginalis exceto Chlamydia trachomatis.

4

Vaginose bacteriana é a vaginite decorrente de uma alteração complexa da flora vaginal, com __________ (aumento/diminuição) de lactobacilos __________ (aumento/diminuição) de anaeróbios.

Diminuição; aumento.

5

Vaginose bacteriana

Agente etiológico?

Gardnerella vaginalis.

6

Vaginose bacteriana

Diagnóstico?

Critérios de AMSEL (3 de 4), e/ou teste de Nugent (Gram).

7

Vaginose bacteriana

Diagnóstico padrão-ouro pelo MS?

Teste de Nugent.

(nugent = nojento = cheiro ruim)

8

Vaginose bacteriana

Critérios de AMSEL? (4)

3 de 4 fecha o diagnóstico:

  1. Acinzentado, branco, fino e homogêneo (corrimento);
  2. Maior que 4,5 (pH);
  3. "Sélulas-chave" (clue cells / células-alvo);
  4. Lembra "peixe podre" (teste das aminas KOH / Whiff + ).

9

Vaginose bacteriana

Odor típico do corrimento?

"Peixe podre".

10

Vaginose bacteriana

Aminas? (3)

  1. Cadaverina;
  2. Putrescina;
  3. Trimetilamina.

11

Vaginose bacteriana

Tratamento? (5)

  1. Metronidazol 500 mg, VO, 12/12h, por 7 dias;
  2. Metronidazol 2g, VO, dose única;
  3. Metronidazol gel 0,75%, 5 g, vaginal, por 5 noites;
  4. Clindamicina 300 mg, VO, 12/12h, por 7 dias;
  5. Clindamicina creme 2%, 5 g, vaginal, por 7 noites.

12

Vaginose bacteriana

Tratamento para gestantes?

  1. 1º trimestre: Clindamicina 300 mg, VO, 12/12h, por 7 dias;
  2. A partir do 2º trimestre: Metronidazol 250 mg, VO, 8/8h, por 7 dias.

13

Vaginose bacteriana

Tratamento para alérgicas ao metronidazol?

Clindamicina creme 2% 5g, vaginal, por 7 noites ou Clindamicina 300 mg, VO, 12/12h, por 7 dias.

14

V ou F?

O acompanhamento clínico da vaginose bacteriana só é feito se houver múltiplas recorrências.

Verdadeiro.

15

V ou F?

A presença de Gardnerella vaginalis no exame de preventivo em paciente assintomática tem indicação de tratar.

Falso

A presença de Gardnerella vaginalis no exame de preventivo em paciente assintomática não tem indicação de tratar. Deve-se tratar somente se sintomática.

16

V ou F?

Na vaginose bacteriana, deve-se tratar o parceiro na ausência de sintomas.

Falso

Na vaginose bacteriana, não há necessidade de tratar o parceiro na ausência de sintomas.

17

Candidíase

Agente etiológico?

Candida sp.

(Albicans é a mais frequente)

18

Na candidíase vaginal, os lactobacillus encontram-se _________ (aumentados/diminuídos) e os leucócitos, _________ (aumentados/diminuídos).

Aumentados; aumentados.

19

Candidíase

Clínica? (7)

CANDIDA

  1. Corrimento branco aderido, em nata;
  2. Abaixo de 4,5 (pH);
  3. Negativo teste das aminas;
  4. Dispareunia;
  5. "Ifas": pseudo-hifas no exame à fresco com KOH;
  6. Disuria / hiperemia vulvar;
  7. Ardor / prurido.

20

V ou F?

Se pH < 4,5 ou é fisiológico ou é candidíase ou é vaginose citolítica.

Verdadeiro.

"fisiológico ou os 'C's: Candidíase ou Citolítica"

21

Candidíase

Se microscopia negativa, qual exame pedir?

Meio de cultura Ágar Sabouraud ou Nickerson.

22

Candidíase

Tratamento? (4)

  1. Miconazol por 7 noites;
  2. Nistatina por 14 noites;
  3. Clotrimazol por 7 noites;
  4. Fluconazol 150 mg, VO, dose única.

(cremes imidazólicos tópicos são a 1ª linha)

23

Candidíase

Tratamento para gestantes?

Clotrimazol ou miconazol tópico por 7 dias.

(só creme)

24

Candidíase

Tratamento, se recorrente?

Fluconazol 150 mg, VO, 1 cp nos dias 1, 4 e 7, depois 1 cp por semana por 6 meses.

25

Candidíase recorrente

≥ 4 episódios/ano.

26

Candidíase

Indicação de tratar o parceiro?

Se houver sintomas: balanite e hiperemia do pênis.

27

V ou F?

Se candidíase em exame de preventivo, deve-se tratá-la.

Falso

Se candidíase em exame de preventivo, não é necessário tratá-la.

28

Tricomoníase

Agente etiológico?

Trichomonas vaginalis.

29

Tricomoníase

Clínico-laboratorial? (10)

TRICOMONAS

  1. Tigróide (aspecto do colo ao teste de Schiller);
  2. Relações sexuais dolorosas (dispareunia);
  3. Irritação vulvar (ardência, hiperemia e edema);
  4. Cultura diamond (+);
  5. Odor desagradável;
  6. Morango ou framboesa (aspecto do colo - colpite);
  7. Outras DSTs/infecções associadas;
  8. Neutrófilos e leucócitos presentes;
  9. Amarelo-esverdeado e bolhoso (corrimento);
  10. Seis (pH > 5-6).

30

Tricomoníase

O que mostra a microscopia?

Protozoário móvel.

31

Tricomoníase

Se microscopia negativa, qual exame solicitar?

Meio de cultura Diamond.

32

Efeito antabuse? Clínica gerada por ele? (4)

  1. Hipersensibilidade ao álcool que ocorre como uma reação adversa à medicação específica, como o dissulfiram.
  2. Clínica:
    1. ​Gosto metálico na boca;
    2. Mal-estar;
    3. Náuseas;
    4. Tonteira.

33

Tricomoníase

Tratamento?

Metronidazol 500 mg, VO, 12/12h, por 7 dias ou Metronidzol 2 g, VO, dose única.

(é idêntico ao da vaginose, mas creme não pode)

34

Tricomoníase

Se alergia/interações medicamentosas, deve-se realizar...

dessensibilização  ao metronidazol.

35

V ou F?

Na gestante, o tratamento da tricomoníase sempre estará indicado independente da idade gestacional.

Verdadeiro.

36

Tricomoníase

Conduta no parceiro?

Convocar, tratar e rastrear outras ISTs.

37

Qual vulvovaginite necessita de rastreio para outras ISTs?

Tricomoníase.

38

Vaginite descamativa

Causa? Células presentes?

  1. Substituição da flora lactobacilar por cocos gram-positivos.
  2. Células basais, parabasais, ↑PMN.

39

Vaginite descamativa

Clínica? (4)

  1. Vaginite purulenta e crônica;
  2. Dispareunia;
  3. Disúria;
  4. pH vaginal alcalino.

40

Vaginite descamativa

Tratamento?

Clindamicina creme 7 dias.

41

Vaginite atrófica

Causa? Células presentes? (3)

  1. Deficiência estrogênica.
  2. Células basais, parabasais e ↑PMN.

42

Vaginite atrófica

Clínica? (6)

Semelhante à tricomoníase...

  1. Corrimento amarelo-esverdeado;
  2. Odor forte;
  3. Ardência ou dor ao urinar;
  4. Vermelhidão;
  5. Prurido intenso na região genital;
  6. Dispareunia.

(semelhante à tricomoníase)

43

Vaginite atrófica

Tratamento?

Estrogênio local.

44

V ou F?

Nem sempre coceira excessiva, corrimento vaginal e ardor ao urinar é candidíase. Há outras infecções, como a vaginose citolítica que têm sintomas semelhantes aos da candidíase e que pode ou não estar associada a ela.

Verdadeiro.

45

Vaginose citolítica

Causa?

↑Lactobacilos.

(produz excesso de ácido e provoca irritação na vagina).

46

Vaginose citolítica

Clínica? (5)

  1. Prurido intenso;
  2. Corrimento vaginal sem cheiro + aspecto de leite coalhado;
  3. Ardor ao urinar;
  4. Dispareunia;
  5. pH vaginal < 4,5.

"semelhante à candidíase, que também começa com 'C'"

47

Vaginose citolítica

Tratamento?

Alcalinizar (bicarbonato de sódio) + duchas vaginais 3x/semana.

48

O teste das aminas (Whiff test) é positivo em quais vulvovaginites?

Vaginose bacteriana (mais comum) e tricomoníase.

49

O hidróxido de potássio 10% (KOH) é usado no teste das aminas (Whiff test) para...

promover a volatilização das aminas aromáticas (vaginose bacteriana ou tricomoníase) - odor "peixe podre".

50

O hidróxido de potássio 10% (KOH) é usado na lâmina à fresco para identificar...

Pseudo-hifas (candidíase).

51

V ou F?

Cervicite aguda é geralmente causada por uma doença sexualmente transmissível e pode ser um presságio de doença inflamatória pélvica (DIP). Deve-se procurar infecção por clamídia, gonorreia, vaginose bacteriana e tricomoníase.

Verdadeiro.

52

Cervicite

Agentes etiológicos? (2)

Neisseria gonorrhoeae e Chlamydia trachomatis.

(gonococo e clamídia)

53

V ou F?

O agente etiológico mais comum na cervicite é a Chlamydia trachomatis, seguida por Neisseria gonorrhea. Outras causas incluem o vírus herpes simplex (HSV), Trichomonas vaginalis, e Mycoplasma genitalium

Verdadeiro.

"A ordem de prevalência segue a ordem alfabética: Chlamydia vem antes de Neisseria"

54

Cervicite

Fatores de risco? (4)

1. Forma infecciosa:

  1. Relação sexual desprotegida (ISTs);
  2. Múltiplos parceiros.

2. Forma não-infecciosa:

  1. Ducha vaginal;
  2. Uso de diafragma.

55

Cervicite

Clínica? (5)

  1. Colo hiperemiado e friável;
  2. Corrimento purulento;
  3. Sinusorragia;
  4. Dispareunia;
  5. Disúria.

 

56

Cervicite

Tratamento? (gonococo x clamídia)

GonoCoco:

  1. Ceftriaxone 500 mg, IM, dose única;
  2. Ciprofloxacino 500 mg, VO, dose única.

ClamíDiA:

  1. Doxiciclina 100 mg, VO, 12/12h, por 7 dias;
  2. Azitromicina 1 g, VO, dose única.

Deve-se tratar gonococo e clamídia juntos!

57

Cervicite

Tratamento preferencial?

Ceftriaxone 500 mg, IM + Azitromicina 1 g, VO, ambos em dose única.

(pois são dose única e com menor resistência)

58

V ou F?

Na cervicite, além do tratamento medicamentoso, deve-se também convocar o parceiro e rastrear ISTs.

Verdadeiro.

59

Cervicite

Principal complicação?

Doença Inflamatória Pélvica (DIP).

60

Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

Agentes etiológicos?

Neisseria gonorrhoeae e Chlamydia trachomatis.

(mas podem haver outros)

61

DIP

Principal agente etiológico nas usuárias de DIU?

Actinomyces Israelii.

62

DIP

Diagnóstico?

3 critérios MAIORES + 1 menor ou 1 elaborado.

MAIORES (mínimos):

  1. Abdominal infraumbilical/pélvica/hipogástrica;
  2. À palpação anexial;
  3. À mobilização do colo uterino.

Menores (adicionais):

  1. Febre;
  2. Leucocitose;
  3. ↑VHS/PCR;
  4. Cervicite (comprovação laboratorial);
  5. Massa pélvica.

Elaborados (definitivos):

  1. Endometrite na biópsia;
  2. DIP na laparoscopia;
  3. Abscesso tubo-ovariano ou em fundo de saco.

63

DIP

Critérios maiores (mínimos)?

Dor:

  1. Abdominal infraumbilical / pélvica / hipogástrica;
  2. À palpação anexial;
  3. À mobilização do colo uterino.

64

DIP

Critérios menores (adicionais)?

  1. Febre;
  2. Leucocitose;
  3. ↑ VHS/PCR;
  4. Cervicite (comprovação laboratorial);
  5. Massa pélvica.

65

DIP

Critérios elaborados (definitivos)? (3)

EDA

  1. Endometrite na biópsia;
  2. DIP na laparoscopia;
  3. Abscesso tubo-ovariano ou em fundo de saco.

66

DIP

Classificação de MONIF? (1 a 4)

  1. MONIF 1: sem peritonite;
  2. MONIF 2: com peritonite;
  3. MONIF 3: oclusão trompa / abscesso tubo-ovariano;
  4. MONIF 4: abscesso > 10 cm / abscesso roto (cirúrgico).

67

DIP

MONIF 1?

Sem peritonite.

68

DIP

MONIF 2?

Com peritonite.

69

DIP

MONIF 3?

Oclusão de trompa OU abscesso tubo-ovariano.

70

DIP

MONIF 4?

Abscesso > 10 cm OU roto (cirúrgico).

71

DIP

Pela classificação de MONIF, quando tratar ambulatorialmente?

MONIF = 1 (sem peritonite).

(sempre reavaliar em 48-72h)

72

DIP

Quando internar? (4)

  1. MONIF 2, 3 e 4;
  2. Gestantes;
  3. Imunodeprimidas;
  4. Sem melhora após 72h do tratamento ambulatorial.

73

DIP

Tratamento ambulatorial?

  1. Ceftriaxone 500 mg, IM, dose única;
  2. Doxiciclina 100 mg, VO, 12/12h, por 14 dias;
  3. + Metronidazol 500 mg, VO, 12/12h, por 14 dias.

(lembrar de sempre reavaliar em 48-72h)

74

DIP

Tratamento hospitalar?

Clindamicina IV + Gentamicina IV por 14 dias

OU

Ceftriaxona IV + Metronidazol IV + Doxiciclina VO, por 14 dias.

75

V ou F?

Uma vez diagnosticada a DIP, deve-se recomendar a retirada do DIU (dispositivo intrauterino), caso a paciente faça uso do mesmo.

Falso

Só retirar se não houver melhora após 2 primeiras doses do esquema terapêutico!

76

DIP

Complicações? (7)

  1. Síndrome de Fitz-Hugh-Curtis (peri-hepatite gonocócica);
  2. Dispareunia;
  3. Infertilidade;
  4. Prenhez ectópica;
  5. Abscesso tubo-ovariano;
  6. Hidrossalpinge;
  7. Óbito.

77

Síndrome de Fitz-Hugh-Curtis

Caracterize a fase aguda.

Exsudato purulento na cápsula de Glisson, sem aderências hepáticas.

78

Síndrome de Fitz-Hugh-Curtis

Caracterize a fase crônica.

  1. Dor em hipocôndrio direito;
  2. Dor pleurítica à direita;
  3. Aderências em "corda de violino".

79

V ou F?

A Neisseria gonorrhoeae é uma bactéria gram-positiva, aeróbia, na forma de diplococos "riniformes" ou "grãos de café".

Falso

A Neisseria gonorrhoeae é uma bactéria gram-negativa, aeróbia, na forma de diplococos "riniformes" ou "grãos de café".

"Neisseria = Negativa"

80

V ou F?

No corrimento uretral com ausência de diplococo gram-negativo intracelular, devemos combater apenas clamídia.

Verdadeiro

Se corrimento uretral + diplococo gram negativo → combater gonococo + clamídia.

81

V ou F?

A Bartolinite é causada pela obstrução com inflamação de uma ou ambas as glândulas de Bartholin (glândulas acessórias que lubrificam a vagina). No caso da obstrução sem infecção, forma-se um cisto de Bartholin, geralmente assintomático e que pode ter cura espontânea.

Verdadeiro.

82

Bartolinite

Agentes etiológicos?

Neisseria gonorrhoeae e Chlamydia trachomatis.

(outros: Escherichia coli, Staphylococcus aureus).

83

Bartolinite

Tratamento? (5)

Muitas vezes, não é preciso tratamento (assintomáticas). Quando necessário, as opções incluem:

  1. AINEs/antibióticos;
  2. Banho de assento com água morna;
  3. Drenagem cirúrgica (se alta recorrência);
  4. Marsupialização;
  5. Bartolinectomia.